RSS icon Home icon
Acesse nossa pŠgina no Facebook
  • Comunicado aos Vasca√≠nos

    Em 07/12/2011 Sr. Almeida 1 comentário
    Vasca√≠no tinha que aprender matem√°tica avan√ßada… E n√£o apenas 2 + 2.

    Vamos supor que um time A chegue em 100 finais e um time B chegue em 20 finais.
    Não precisa ser um gênio pra imaginar que a lógica é que o time A tenha mais vices campeonatos que o time B.

    √Č por isso que o Flamengo tem mais vices que o Vasco.

    Agora, j√° que est√£o fazendo tanta quest√£o de n√ļmeros, me diz a√≠?

    Vasco tem mais Campeonatos Brasileiros que o Flamengo???
    - Não. Nem mesmo se retirarmos o de 87 (que FIFA e CBF confirmam, mas a justiça Рque nada tem a ver com futebol Рinsiste em dar pro Sport)

    Vasco tem mais Cariocas que o Flamengo????
    - N√£o.

    Vasco tem mais Copa do Brasil que o Flamengo???
    - N√£o.

    Vasco tem mais Libertadores que o Flamengo???
    - N√£o.

    Vasco tem mais Mundiais que o Flamengo???
    - N√£o. (Mas tem um VICE).

    Flamengo já foi campeão de série B???
    - N√£o. Meu time NUNCA foi rebaixado.

    Vasco leva vantagem nos confrontos diretos? Ou seja, jogos entre Fla x Vas o Vasco ganhou mais que o Flamengo????
    - N√£o.

    N√ļmeros de gols entre Fla x Vas. Vasco fez mais gols no Flamengo do que sofreu????
    - N√£o.

    ENT√ÉO, AMIGO VASCA√ćNO… Ponha-se no seu lugar…
    No dia que seu time for superior ao Flamengo em 1 ou 2 dos v√°rios quesitos acima, voc√™ vem tentar zuar alguma coisa…

    Deu pra entender, Vascaíno??? Ou quer que eu desenhe???????

  • Vice de Novo!

    Em 04/12/2011 Sr. Almeida 1 comentário

  • Tr√≠plice Coroa do Vasco

    Em 29/10/2011 Sr. Almeida Nenhum comentário

  • O dia do Flamenguista

    Em 28/10/2011 Sr. Almeida Nenhum comentário

    Cada brasileiro, vivo ou morto já foi Flamengo por um instante, por um dia.“, disse Nelson Rodrigues, fanático tricolor desprovido de vaidades clubisticas na hora de analisar futebol.

    Hoje, 28 de outubro, é o dia do flamenguista. Hoje, 28 de outubro de 2011, é  uma sexta-feira onde o time se prepara para um jogo contra o Grêmio, lá, onde não é favorito e onde pode deixar a briga pelo título brasileiro de vez.

    Hoje, como sempre, líder ou fora da briga, a capa dos jornais terá o tal do Flamengo.

    Decidindo titulo ou n√£o, l√° estar√£o milhares de torcedores, em outro estado, fazendo com que o tal do Flamengo jogue em casa quando deveria atuar fora.

    No outro domingo, onde todos jogam mais uma rodada, l√° estar√° ele, de novo, jogando com 12, burlando o regulamento b√°sico do futebol.

    E se o time perder, n√£o muda nada. V√£o se revoltar, xingar, protestar e, daqui 3 meses, l√° estar√£o eles fazendo juras de amor ao time num cl√°ssico qualquer pelo campeonato estadual, aquele que nem eles aguentam mais vencer.

    O time mais inexplic√°vel do planeta terra, sem d√ļvida.

    Não ganhava o principal titulo nacional desde 1992. Lá se foram mais de 17 anos e a torcida diminui? Não, aumentou. Segundo pesquisa, a maior entre as crianças do país.

    Quando ninguém dá nada pra eles, chegam e surpreendem a todos. Quando todos esperam muito, ele perde e decepciona sua nação.

    Favorito em tudo que disputa, simplesmente pelo citado acima. Ninguém é capaz de saber o que esperar do Flamengo, nunca.

    E quando eventualmente não tem um time capaz de ser campeão, a cobrança é como se tivesse. Ou seja, não existem jogadores no Flamengo. Existe o Flamengo e ponto final.

    √önica torcida do planeta que paga ingresso por 2 espet√°culos. Um no campo, como todas elas, e outro que ela mesmo proporciona.

    O flamenguista vai ao Maracan√£ pra curtir o time, o jogo, o clima e a pr√≥pria torcida. √Č √ļnico.

    Talvez uma das raras torcidas do mundo que tenha dezenas de ídolos, mas que não há discussão sobre o maior.

    Existe o Zico e o resto. E o ‚Äúresto‚ÄĚ inclui, talvez, os dois melhores laterais que o mundo j√° viu em cores. Leandro e Junior.

    A Na√ß√£o rubro-negra n√£o tem esse nome a toa. S√£o 35 milh√Ķes de torcedores, e vejamos:

    A cidade mais populosa do mundo √© T√≥quio. E tem 34 milh√Ķes de pessoas.

    A maior do Brasil é são Paulo, com 19.

    O Flamengo, sozinho, tem 35. Se cobrasse impostos seria trilhard√°rio.

    N√£o cobra, e vive devendo.

    Deve milh√Ķes, e isso n√£o faz a menor diferen√ßa.

    Ao contr√°rio do amor que tanto exaltamos, este n√£o vai embora quando o amado fica pobre. √Č amor de verdade, o mais puro que existe.

    Incondicional, este sim.

    Aquele que n√£o analisa, que n√£o raciocina, que n√£o condiciona a nada.

    A na√ß√£o poderia dizer, sem culpa: ‚ÄúEu te amo, e pronto‚ÄĚ.

    N√£o interessa porque, como, quando e nem sob quais condi√ß√Ķes.

    √Č maior, √© inexplic√°vel.

    Ser Flamengo é algo que não tem comparação. Eu não nasci assim, e nem ouso dizer se felizmente ou infelizmente.

    Flamenguista é aquele sujeito que ama futebol acima do que ele o proporciona. Aquele que não troca amor por resultados, e que não condiciona sua preferencia por um ou outro jogador.

    Por aí existe o Santos de Pelé, o São Paulo de Rogério Ceni, o Palmeiras de Ademir.

    L√° existe o Zico do Flamengo.

    A ordem é sempre inversa. Os valores são sempre diferentes.

    Ser flamenguista n√£o torna ningu√©m melhor do que os outros, nem pior. Diferente, sem d√ļvida.

    Ser maioria √© algo que fortalece. √Č infinito, porque a na√ß√£o n√£o tem fim, e nem deixar√° de ser a maior torcida do pa√≠s nos pr√≥ximos 200 anos.

    Odiar o Flamengo é absolutamente justificavel.

    Qualquer um fica irritado em ganhar titulos e mais titulos e ver que a capa do jornal n√£o muda de foto. √Č sempre a do Flamengo.

    Qualquer um se incomoda em saber que titulos e dividas menores n√£o conseguem sobrepor a importancia de um clube que tem sua grandeza baseada em nada atual e concreto.

    √Č grande. Porque? Porque √©.

    Pode existir algo maior do que o que n√£o se explica?

    Entrar num Maracanã lotado e olhar pra aquela torcida é algo que apenas eles sabem o que é, o que significa e o quanto importa.

    ‚ÄúTorcida n√£o ganha jogo‚ÄĚ, dizem.

    ‚ÄúS√≥ se for a sua‚ÄĚ, eles dir√£o.

    Hoje é dia do flamenguista.

    Você não é Flamenguista?

    Que pena.

    Autor: Rica Perrone

  • Cr√©u!

    Em 19/10/2011 Sr. Almeida Nenhum comentário

    Que bosta!

  • Piada pronta

    Em 09/10/2011 Sr. Almeida Nenhum comentário

    Sei que fica chato encher o blog s√≥ de bobagens de futebol… Mas n√£o d√° pra deixar passar essa:

    Abel critica Luxemburgo: ‘Aqui ningu√©m vai baixar a calcinha para ele’

    Que pena, hein, Luxa? Nenhuma mo√ßoila vai tirar a calcinha pra voc√™ hoje… Est√£o bravinhas com o juiz e n√£o v√£o dar pra ningu√©m essa noite!

  • E aos poucos, o universo volta ao seu estado normal

    Em 09/10/2011 Sr. Almeida 1 comentário

    A piada é repetida, e a montagem ficou tosca (fiz correndo). Mas tá valendo!

  • Bol√£o do Brasileir√£o – 26¬™ rodada

    Em 23/09/2011 Sr. Almeida 4 comentários

    Como sou Flamenguista e meu time t√° uma merda, o √ļnico jeito de eu me divertir na atual fase do Campeonato Brasileiro √© brincar de bol√£o.

    Segue abaixo meus palpites!

    Se mais alguém quiser brincar, é só deixar os palpites aí nos comentários e agente vai montando um ranking!

  • Que continue a dor de cutuvelo!!!

    Em 01/08/2011 Sr. Almeida 1 comentário

  • √Č bom ser Flamenguista!

    Em 28/07/2011 Sr. Almeida 2 comentários

    Eu ia escrever uma cr√īnica pr√≥pria, mas um Ctrl-C / Ctrl-V do GloboEsporte.com acho que j√° basta…

    Abre aspas…

    Dif√≠cil achar um adjetivo para qualificar o que Santos e Flamengo fizeram nesta quarta-feira √† noite, na Vila Belmiro, pela 12¬™ rodada do Brasileir√£o. Um show, um concerto, um espet√°culo? √Č pouco. Foi, enfim, um jogo hist√≥rico, que ser√° lembrado por muito tempo. No fim, o Flamengo, de Ronaldinho Ga√ļcho, que saiu perdendo por 3 a 0, acabou levando a melhor sobre o Santos, num 5 a 4 de encher os olhos, para apagar da mem√≥ria dos torcedores brasileiros o burocr√°tico futebol apresentado pela Sele√ß√£o Brasileira na Copa Am√©rica. O craque rubro-negro, enfim, mostrou a que veio quando retornou ao Brasil. Foi genial, como h√° muito tempo n√£o era, marcando tr√™s gols. Neymar tamb√©m brilhou, imarc√°vel, com dois gols.

    Muitos gols, uma obra-prima e o vil√£o

    Ningu√©m tinha d√ļvidas de que seria um grande jogo, mas acabou saindo melhor, bem melhor mesmo, do que a encomenda. Craques dos dois lados, jogadas de efeito e muitos gols – um deles, de Neymar, uma obra de arte. Foram seis tentos apenas no primeiro tempo. As duas zagas sofreram muito, e falharam demais tamb√©m. Bom para o espet√°culo, que come√ßou com o Santos como protagonista.

    Tocando fácil, de primeira, Ganso, Elano e Ibson se achavam em campo. E todos encontravam Borges. Elano, principalmente. Num lançamento primoroso, logo nos movimentos iniciais da partida, o meia largou o camisa 9 na cara de Felipe. Com extrema tranquilidade, o parceiro de Neymar deu um leve toque, o suficiente para tirar a bola do alcance do goleiro rubro-negro.

    Ronaldinho Ga√ļcho comemora gol do Flamengo sobre o Santos (Foto: Eliaria Andrade / Ag. O Globo)
    Ronaldinho Ga√ļcho faz a festa na Vila Belmiro
    (Foto: Eliaria Andrade / Ag. O Globo)

    O Fla at√© tinha a bola e explorava bem o lado esquerdo da defesa alvinegra, com Luiz Ant√īnio aproveitando-se dos espa√ßos √†s costas de L√©o. Mas o Peixe era mais incisivo. Borges ampliou, completando jogada individual de Neymar, que, deitado no ch√£o, conseguiu acertar o passe para o companheiro.

    O time rubro-negro parecia entregue. E Neymar, inspirado. A goleada estava desenhada e com um toque de gênio. Aos 26, o craque santista arrancou pelo meio, jogou para Borges, que escorou e devolveu. Num drible improvável, o camisa 11 passou por Wellinton, Angelim e ficou na frente de Felipe. O toque final foi leve, por baixo do goleiro. A Vila Belmiro aplaudiu de pé.

    A festa alvinegra estava armada. Cabia muito mais. Aliás, houve muito mais. Só que, agora, por parte do Flamengo. O jogo mudou de lado. O Rubro-Negro não se intimidou com a vantagem adversária e continuou indo para cima. Marcou dois gols rápidos, com Ronaldinho e Thiago Neves e pressionou o Santos, que apresentava muitas falhas defensivas. Lembrou o time de 2010, que dava sustos na mesma medida em que marcava gols.

    Foi aí que apareceu o vilão da noite. Neymar, endiabrado, invadiu a área pela esquerda e caiu. O árbitro marcou pênalti de Willians. Uma marcação duvidosa. Borges pegou a bola para bater, mas Elano assumiu a bronca. Queria se redimir do vexame da Copa América, quando, na decisão por penalidades nas quartas de final, contra o Paraguai, ele mandou uma bola na estratosfera, muito acima da meta. Em momentos difíceis, abusar não costuma ser prudente. Uma cavadinha displicente. A bola, leve, tranquila, morreu nos braços de Felipe.

    A Vila caiu em vaias na cabeça de Elano, que chegou a fazer sinais para os alvinegros descontentes. Para piorar a situação do meia santista, Deivid, escorando cobrança de escanteio, empatou a partida. O Flamengo estava vivo; o Santos, adormecido. Elano, em maus lençois.

    Thiago Neves no jogo do Flamengo contra o Santos (Foto: Alexandre Vidal / FlaImagem)
    Thiago Neves marca o segundo gol do Fla, de cabeça (Foto: Alexandre Vidal / FlaImagem)

    Neymar + Ronaldinho = show

    O segundo tempo foi tão eletrizante quanto o primeiro. O Fla foi melhor, teve mais a bola. Chegou, inclusive, a encurrralar o Peixe. O sistema defensivo santista falhava na marcação. Ronaldinho e Thiago Neves tinham muito espaço para trocar passes. Os alvinegros, mal posicionados, corriam atrás. Neymar, porém, fazia a diferença. Puxando contra-ataques, ele tirou o Peixe do sufoco logo após o início do segundo tempo, arrancando pela esquerda e dando um toque inspirado para matar Felipe.

    Mas Neymar n√£o era o √ļnico protagonista do joga√ßo. Ronaldinho Ga√ļcho mostrou que o craque pensa √† frente, surpreende, improvisa. Falta na entrada da √°rea, pelo lado direito. Rafael armou a barreira e se posicionou no lado direito. Todos esperavam a batida por cima da barreira. Esperto, o camisa 10 tocou rasteiro. A bola passou por baixo e enganou o goleiro santista. 4 a 4!

    A Vila Belmiro n√£o respirava. Privilegiadas, as quase 13 mil testemunhas do jogo do ano no Brasil n√£o desgrudavam os olhos do gramado. Qualquer piscada e se perderia um drible de Neymar, um toque refinado de Ronaldinho.

    Neymar driblava, chutava, infernizava a zaga flamenguista. N√£o havia maneira de par√°-lo. O jeito era fazer a bola n√£o chegar ao astro santista. Foi isso o que o Flamengo fez quando roubou a bola no meio de campo – num erro de Ganso. Um contra-ataque mortal, com Ronaldinho arrancando pela esquerda, invadindo a √°rea e definindo o placar.

    Uma salva de palmas para o futebol

    Fecha aspas